terça-feira, 13 de setembro de 2011

Analisando as causas da Crise

Vivemos hoje em dia em uma época espantosa em que presenciamos a maior crise econômica desde a grande depressão. Quais são as causas desta crise? Não estou aqui a tratar das causas imediatas como a queda do Lehman Brothers ou a perda do rating americano ou a dívida da Grécia, mas gostaria de refletir sobre as causas mais elementares e digamos estruturais desta crise. Entender as causas pode nos ajudar a encontrar soluções.

Um primeiro ponto está relacionado com o crescimento da população mundial e a sua relação direta com a escassez de recursos. Vivemos em um mundo finito com recursos finitos; a exploração espacial tem voltado cada vez mais ao escopo da ficção científica. Em um mundo finito ao passo que a população cresce vários problemas tendem a surgir:

- Se a população cresce mais que a quantidade de alimentos disponiveis vemos um aumento no preço dos alimentos;
- Nossa sociedade se baseia em combustiveis fósseis que são finitos e que podem estar no pico de produção; o aumento da demanda com oferta restrita leva a grandes aumentos do preço dos combustiveis, o que leva ao aumento do custo de vida; o uso de biocombustiveis como o alcool acaba criando pressão nos custos dos alimentos.
- Maior população tende a aumentar a concorrencia por trabalho; e o aumento da concorrencia leva a uma diminuição nos salários - isto é o que tem acontecido ao passo que a população chinesa foi incorporada ao mercado de trabalho globalizado.

Assim o crescimento populacional leva ao aumento nos preços dos alimentos e combustíveis e a uma maior concorrencia por trabalho e mercados com diminuição de salários. É o mesmo que acontece em uma família, quanto mais aumenta o número de filhos, menos recursos ficam disponiveis para cada um. Ou seja existe um limite para o crescimento. Do mesmo modo como uma familia não consegue criar bem muitos filhos, também a terra como um todo tem um limite de população que pode suportar com um determinado nível de consumo. Um consumo alto (alto nível de vida) só é possível para um número menor de pessoas; ao passo que aumenta o número de pessoas como os recursos são finitos necessariamente é preciso diminuir o consumo e nível de vida médio da população (obviamente isto acontece de forma desigual).

Na prática isto se traduz nos dias atuais em 2 fatores que tem contribuído para a crise:

- Aumento do preço dos combustíveis, das commodities e dos alimentos
- Grande número de trabalhadores (China e India) aceitando ganhar bem menos, e levando consequentemente ao aumento do desemprego em países industrializados nos Estados Unidos e na Europa.

No proximo post trataremos de outro aspecto estrutural da crise.

5 comentários:

  1. Esse post é perfeito.A população humana está acabando com os recursos naturais do planeta,infelizmente o mundo está lotado e os governos dos países pobres não estimulam métodos de controle de natalidade, nem vasectomia nem nada.

    Por causa disso assistiremos a muitas guerras e crises ...

    ResponderExcluir
  2. Com mão de obra mais barata e o preço dos alimentos mais altos o lucro em produzir alimentos é maior, portanto podemos esperar capital sendo deslocado de outras áreas para a produção de alimentos, dessa forma aumentando a oferta. Resta saber as expectativas dos empresários quanto ao crescimento da demanda pois isso que dirá quanto capital será realocado.

    ResponderExcluir
  3. Meio neomalthusiano d+ este raciocínio...

    A oferta de alimentos, hoje em dia, está muito longe de ser qualquer tipo de problema. Ela é crescente a níveis quase exponenciais.

    A quantidade de população também não traz nenhum problema, ao meu ver... a questão maior é a dinâmica, não a quantidade.

    Acho que não é por aí !

    Até !

    ResponderExcluir
  4. pobretão de vida ruim17 de setembro de 2011 13:37

    Suas análises econômicas não são nada excelentes. Andou lendo Malthus é, ai meu deus do céu.. A entrada de trabalhadores chineses pode até afetar o salário de outros países ricos em setores que há substituição mas os produtos tornam-se mais baratos o que faz que mais gente tenha acesso a bens que não conseguiria ter antes.

    ResponderExcluir
  5. rapaz, mais um blog que incluirei nos que eu não devo ler!!

    ResponderExcluir